Artigo

A moša triste e o picareta

Publicação original: 2008por Joel Rufino dos Santos

Lá por 1915, na terceira classe de um navio de emigirantes para a América do Sul, um russo, Bogoloff, tentou flertar com uma judia, Irma. Irma tinha olhos negros, sonhadores. Contemplando a linha do horizonte, peguntou-lhe:

- Posso saber para onde a senhorita se dirige?
- Buenos Aires. Quando estiver um pouco estragada, irei para o Rio de Janeiro.
No Rio, começavam a desembarcar os passageiros, pela ordem das classes, quando Bogoloff foi chamado por um oficial:
- Como se chama?
O intérprete traduziu. Bogoloff respondeu em francês que não entendera. O intérprete - um tipo alto, magro, com uma pequena barbicha alourada - se zangou:
- Você não é russo, como não compreende russo?

Irma, que sabia francês, ajudou. O funcionário pediu que escrevesse.

- Gregory Bogoloff.

Espiou o papel e perguntou de surpresa:

- Sua profissão?
- Professor.

O homem pareceu não se conformar.

- Você não é cafetão?
- Por quê? - fez o russo, indignado.
- Estes nomes em "ich", em "off", em "sky", quase todos são de cafetões. Não falha. Cafetão ou anarquista.

Bogoloff negou com veemência. Foi liberado.
Meses depois, um cabo-eleitoral apresentou Bogoloff ao senador Sofônias, que tinha um olhar vidrado de agonizante. Recebeu prazenteiro o russo, como todo brasileiro a quem solicita alguma coisa. Deu uma carta de apresentação para Xandu, ministro da Agricultura, que o recebeu prontamente:

- Ah, a sua Rússia! O que falta ao Brasil é o frio. Tenho em casa uma câmara frigorífica, oito graus abaixo de zero, onde me meto todas as manhãs. O frio é o elemento essencial às civilizações. Penso em instalar grandes câmaras frigoríficas nas escolas, para dar atividade aos nossos rapazes. Mas, enfim, quais são suas idéias?
- São simples. Por meio de alimentação adequada, consigo porcos do tamanho de dois bois e bois do tamanho de elefantes.
- Mas como?
- O grande químico inglês Wells já escreveu algo a respeito. Conhece?
- Magnífico! E o tempo de crescimento?
- O comum. E ainda consigo a completa extinção dos ossos.
- Completa?
- Isto é, quase completa.

Bogoloff enrolou Sua Excelência um pouco mais:

- Estudei um método de criar peixes em seco. Procedo artificialmente, isto é, provoco o organismo do peixe a criar para a sua célula um meio salino e térmico igual àquele em que se desenvolveu a vida no mar.

Voltou para casa, certo de que continuaria a procurar emprego. Dia seguinte, ao abrir os jornais, fora nomeado diretor da Pecuária Nacional.

E Irma? Não sabemos dela. 

topo
Inicial | Blog | Biografia | Bibliografia | Prêmios | Livros | Artigos | Fotos | Vídeos | Entrevistas | Sua Mensagem
Desenvolvido por Carlos Aquino